25/12 - Punta Tombo

A noite em Rawson foi boa, ainda que sem ceia de Natal, já que nada funcionou na cidade e para nós, tudo terminou em pizza com cerveja.

O dia amanheceu limpo com pouco vento (para os padrões daqui, claro). A gasolina continua baixando e já custa o equivalente a R$ 1,60 p/ litro.

Entre Rawson e Camarones o programa era uma visita a maior colônia de pinguins de Magalhães do mundo.

O caminho para Punta Tombo tem asfalto até os últimos 20 Km, quando a estrada é de rípio (cascalho),  mas em muito bom estado. Ainda que tudo fosse estrada de terra valia a pena o esforço.  O lugar é espetacular. Muito bem estruturado com áreas demarcadas para caminhadas em torno de 3 Km, onde se passa ao lado das tocas com filhotes.  É  uma experiência fantástica. Os bichos são umas figuras, muito engraçados.  Os filhotes nesta época do ano já estão emplumados, quase prontos para o período seguinte de adaptação para vida no mar.  Fala-se no parque em,  aproximadamente,  um milhão de pinguins por aqui  nesta época do ano.  E deve ser, porque eles estão em todos os lugares onde a vista alcança.

Aqui também se vê Guanacos,  uns bichos peludos e simpáticos mas ariscos. A aproximação não é fácil.

Fazia muito calor, 36 graus. Encontramos muitos brasileiros no parque,  gente que nos abordou para colher informações ou apenas dividir experiências de viagem.  A maioria indo também até Ushuaia  onde, ao que parece, a turma de conterrâneos para o brinde de Ano Novo será grande.

De Punta Tombo resolvemos completar o trajeto até Camarones  pela estrada de rípio, em torno de 130 Km. Este caminho alcança o mar em Cabo Raso, uma enseada calma com extensa faixa de praia que não é de areia mas de uma pedrinha muito miúda e redonda.  E a paisagem que se vê por este caminho (ruta 1) é uma beleza. O carro veio muito bem no trecho.

Foi um Natal de experiências muito ricas para o grupo.