CAMINHO PARA BRASILIA

Aquele dia começou confuso para o Folle. Ouviu um barulho na cozinha, levantou, vestiu calça e bota e só então olhou no relógio e viu que eram só 4h e 30min da madrugada e o barulho na cozinha era o nosso anfitrião preparando mamadeira para o filho. O negócio, então, foi tirar tudo e dormir de novo. Mais tarde, na hora certa, todos acordados, malas feitas, alongamento e pé na estrada.
Com paisagens variando entre canaviais, campos, chapadões, vales e o surpreendente cerrado, voamos até Brasília. Foram alguns excelentes trechos de asfalto e outros perigosamente ruins. Tudo transcorreu sem susto.
Mas a chegada em Brasília na hora do “rush” foi complicada. Nossos guias se perderam! Pra resumir: eu, o Folle e o Alisson ficamos no acostamento de uma movimentada avenida esperando a polícia rodoviária escoltar o carro de apoio com nossos dois outros companheiros, pela contra mão, até a entrada do eixo monumental em direção ao hotel. No final tudo certo, muitas risadas, jantar e descanso. Mas não sem antes fazer uma prévia no terraço do hotel e registrar as luzes da cidade.